COMO MANTER O FOCO E MOTIVAÇÃO NAS ATIVIDADES FÍSICAS.

por Álvaro Luiz Maciel Ferreira

Muitos sabem que a prática de uma atividade física é essencial para uma vida saudável. No entanto, poucas pessoas começam, de fato, a praticar exercícios, e apenas uma porcentagem consegue dar continuidade à atividade.

A atividade física (AF) é definida como “todo movimento corporal produzido pela musculatura esquelética, que resulte em um gasto energético maior do que os níveis de repouso” (Caspersen, Powell & Christenson, 1985, p. 16)

Compreender o que motiva as pessoas a praticar AF tem sido um dos maiores desafios dos profissionais envolvidos com esta área, tendo em vista que algumas pesquisas indicam que apesar de se conhecerem os diversos benefícios associados à prática regular de AF, o número de sedentários ainda é crescente e tem se tornado algo preocupante no que diz respeito à saúde da população brasileira (Andreoti & Okuma, 2003; Epiphanio, 1999; Mello & cols., 2005).

A atividade física regular melhora auto estima e a qualidade de vida, o que é importante na promoção da saúde e bem-estar social.
Incentivar, a cada dia, mais pessoas à incluírem atividades físicas no seu cotidiano é um grande desafio, ainda mais neste momento em que nos encontramos, onde estamos reclusos a atividades mais caseiras com pouca interação social.

Manter a rotinas de trabalho, estudo e ainda arrumar tempo para se dedicar aos treinos não é fácil, o processo de adaptação ao iniciar ou retornar os treinos é sempre trabalhoso, pois exige uma adequação de rotina e local, e é neste momento que aparecem várias desculpas para ficar em casa e não ir treinar.

Nesta hora motivar seus alunos e importantíssimo, a motivação na atividade física e no esporte, ajuda desde os atletas de alto rendimento, em suas metas e objetivos, como busca por vitorias e recordes, assim como adeptos a AF a persistirem e não abandonarem sua prática.

Ao iniciar uma atividade física, a pessoa costuma passar os primeiros meses motivada e focada a atingir seus objetivos, porém o que acontece para que essa determinação acabe? Sabe-se que o nosso cérebro está condicionado a duas necessidades: manutenção da vida e busca do prazer.

Como Profissional de Educação Físico procuro desenvolver meu trabalho junto aos alunos, periodização dos treinos, com metas e oriento aos alunos a estabelecerem rotinas.

Nosso cérebro gosta de rotina, inicie uma atividade e estabeleça como metas dias e horários específicos para treinar e encare cada dia como um compromisso inadiável, se as desculpas são: estou casando do trabalho ou estudo, programe sua rotina de treino para o início do dia, a atividade física vai melhorar sua disposição e produtividade.

Um passo de cada vez! Paciência e escolha objetivos reais à curto e longo prazo, as quais você possa atingir. Metas irreais podem ser frustrantes, em curto prazo pense em praticar atividade 2 a 3 vezes por semana, 30 minutos diários, e com o tempo aumente a quantidade e duração dos treinos. A longo prazo introduza objetivos que o desafie, por exemplo a correr uma prova de rua, nadar maiores distancias ou emagrecer 5kg em 3 meses.

Utilize parâmetros para mesurar a evolução dos treinos, por exemplo, para avaliar sua evolução pode-se utilizar métodos quantitativos, como o tempo em suas provas, a distância percorrida ou massa corporal perdida mensalmente. Métodos qualitativos também podem ser utilizados, como o nível de satisfação com a atividades (te deixa feliz e saudável), melhor qualidade do sono, ânimo ao trabalhar e satisfação pessoal com a vida.

A Música durante os treinamentos pode auxiliar o indivíduo realizar atividades com mais engajamento, a escolha certa de uma música, pode ajuda a esquecer o grau de esforço, e o cansaço .
Todres (2007) concluiu nos seus estudos que a música age como um concorrente da dor, distraindo o indivíduo e tirando sua atenção, regulando a sensação dolorosa de músculos cansados.

Durante suas sessões de treinos tente incorporar músicas que goste ,
Angelim (2003) no aspecto emocional, músicas com vibrações mais lentas têm efeito relaxante, assim como, as mais rápidas, têm efeito de intensa estimulação neural, os estudos mostram que a escolha certa pode auxiliar a realizar bons treinos e atingir seus resultados , assim como relaxar pós treino .

Parceiro de treino ou Profº Ed. Fisica ambos vão lhe ajudar bastante a manter a motivação e rotina de treinos, um amigo de treino estimula um ao outro, além disso, ter alguém ao seu lado para lhe dar aquele apoio moral sempre é bom.

Mas se em algum momento seu parceiro não poder ir ao treino, vá sozinho, mudar sua rotina não é interessante, você pode alterar para conciliar com seu companheiro de treino e acabar ficando sem treinar.

Um professor ou personal trainer é um bom motivador, principalmente pelo compromisso assumido que se torna num objetivo para não faltar a uma sessão de treino. Além disso, os resultados são atingidos mais rápido, pois existe a orientado de profissional especializado.

O local, independe, pois a orientação adequada pode ocorrer em qualquer ambiente: praças, academias, estúdios ou sua residência pode se tornar um lugar de treinos, com desafios a cada dia, que lhe motivem ainda mais .

“Paciência, persistência e transpiração fazem uma combinação imbatível para o sucesso” – Napoleon Hill (1938)

Referências Bibliográficas
1.ACSM. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Medicine & Science in Sports & Exercise, v.30, n.6, p.975-91, 1998.
2.Andreotti, M. C. & Okuma, S. S. (2003). Perfil sócio-demográfico e de adesão inicial de idosos ingressantes em um programa de educação física. Revista Paulista de Educação Física, 17(2), 142-53.
3.Angelim, Aldenor Menezes – O Contributo da Música para a Educação Emocional – Trabalho de conclusão do curso de Educação Emocional, sob orientação do professor Mário Koziner. Fortaleza – Ceará – 2003 – http://www.institutokoziner.com/monografias.php – acessado em 02/06/2008
4. Caspersen, C. J., Powell, K. E. & Christenson, G.M. (1985). Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-relates research. Public Health Reports, 100(2) 172-179.
5. Garcia, Luiz Fernando O cérebro de alta performance :como orientar seu cérebro para resultados e aproveitar todo o seu potencial de realização / Luiz Fernando Garcia. – São Paulo: Editora Gente, 2013.
6. Todres, David. Música é remédio para o coração. J. Pediatr. (Rio de J.) vol. 82 no. 3. Porto Alegre.